Sobre a cidade de Augusto Pestana

Dados Gerais

Criado pela Lei Estadual nº 5.053 de 17/09/1965
Data da Instalação do Município: 14/05/1966
Município que originaram: Ijuí , Cruz Alta e Santo Ângelo
Altitude: 483 m
Zona: Planalto Médio na Região Noroeste do Estado
Associação de Municípios: AMUPLAM
Longitude: -53,992
Latitude: -28517
Área em (km2): 331,44
Distância da Capital: 424 km
População: 7.273 habitantes
Microrregião: Colonial Ijuí
Região Geográfica: Sul
Mesorregião: Noroeste Riograndense
Densidade Demográfica: 23,25 hab/km2
PIB/Per capta: 8.210,01
Acesso: pela RS 522 a 13 km da BR 285
Limites: Norte – Ijuí, Sul – Jóia, Leste – Boa Vista do Cadeado, Oeste – Eugênio de Castro e Coronel Barros

Distâncias e Acessos
O acesso principal do município de Augusto Pestana é pela Rodovia Estadual RS 522, cuja inserção com a BR 285 faz a ligação com a cidade de Ijuí. As distâncias do município em relação as principais cidades regionais e a capital do Estado são as seguintes:
Ijuí: 15 km
Jóia: 21 km
Cruz Alta: 45 km
Porto Alegre: 424 km
Santo Ângelo: 54 km

Área Física
Área Total do Município: 347,44 km²
Área da zona urbana da sede municipal: 182,38 hectares (1,82 km²)
Número Oficial de Bairros: 02
Área da zona urbana do distrito Vila Rosário: 16,1 hectares (0,16 km²)
Área da zona rural do município: 345,46 km²
Fontes: IBGE 2000/2001 e Prefeitura Municipal

Bacia Hidrográfica
Bacia do Rio Ijuí (U90), na Região Hidrográfica do Uruguai

Distritos
Distrito de Vila Rosário

Aspectos Demográficos
A população de Augusto Pestana, de acordo com o último censo, é de 7.273 habitantes, sendo que 60% ainda vive no meio rural. O índice de desenvolvimento humano de 0,786 sendo um índice considerado alto em uma escala de 0 a 1. A composição étnica se constitui de 50% de origem alemã 40% de origem italiana e 10% de origem nativa da região da campanha. A formação étnica, basicamente de imigrantes alemães e italianos, somada às demais, confere ao município características culturais em seus hábitos e costumes de grande riqueza, como o espírito empreendedor, a vontade de trabalhar e inovar.

Aspectos Geográficos
A organização do espaço do município de Augusto Pestana é resultado de uma série de fatores históricos, sociais, econômicos, culturais e naturais. Estes fatores estão em constante movimento tornando o espaço geográfico altamente dinâmico.

Aspectos da Fauna
Através de levantamentos realizados para elaboração do Plano Ambiental do município, foi constatada a ocorrência de espécies típicas dos diversos ecossistemas encontrados no município, dentre as quais destacamos as aves aquáticas que vivem à beira de açudes, rios, banhados e várzeas, como as garças, as saracuras, a jaçanã e a galinhola. Nas matas densas, ainda preservadas, verificamos a presença de espécies como os pica-paus, alma de gato, borboletinha do mato, canário da terra, sábias, bem-te-vis e diversas outras. Nas áreas abertas, formadas por campos, lavouras e áreas urbanizadas, verificou-se a ocorrência de rabo-de-palha, anu-preto, pica-pau-do-campo, quero-quero, cardeal, joão-de-barro, entre outras. Como destaque para a avifauna, citamos a ocorrência do Tucano-do-bico-verde (Ramphastos dicolorus), espécie de rara beleza que frequenta, em bandos, a área urbana do município, visitando exemplares de figueira nativa e outras espécies da flora com o objetivo de alimentar-se dos frutos destas árvores.
Os anfíbios mais encontrados no município de Augusto Pestana são compreendidos pelos sapos, rãs e pererecas.
Outros animais que podemos encontrar no município: Aranha-armadeira, Aranha-marrom, Tarântula ou aranha de grama, Caranguejeira, Centopeias ou lacraias, Jararaca, Cobra – cipó, Coral – falsa , Cobra – verde, Cobra – cruzeira.

Aspectos da Flora
O município de Augusto Pestana integra, com demais município, a Região Fitoecológica da Floresta Estacional Decidual, que ocupa a maior parte da vertente sul do planalto das Araucárias (Serra Geral) e as áreas de relevo ondulado da bacia do Rio Ijuí e seus afluentes, no Planalto Médio do Rio Grande do Sul.

Aspectos do relevo e solos
Tem uma topografia composta com 10% de área plana, 86% de área ondulada e 4% de área acidentada. O solo é do tipo lato (roxo), argiloso e de ótima qualidade para agricultura.

Aspectos Hidrográficos
Na rede hidrográfica o município possui como principais e maiores rios, o Rio Ijuizinho e o Rio Conceição, ambos servindo como limítrofes ao Norte e ao Sul. O município ainda é irrigado por cursos d’água como os riachos Leal, Grande, Marmeleiro, Ferreira, Guilherme e outros menores.O Município pertence ao Comitê de Gerenciamento da Bacia Hidrográfica do Rio Ijui, na Região Hidrográfica do Uruguai. (em Anexo Mapa Físico do Município).

Aspectos Climáticos
O clima é subtropical úmido com chuvas relativamente bem distribuídas, com um regime pluviométrico médio de 1500 mm/ano.

Aspectos Econômicos
Conhecido como o Recanto da Produção, a economia municipal é baseada na produção primária, com 95% da área mecanizável. A atividade primária se dedica à produção de grãos como soja, trigo e milho, pecuária leiteira e de corte, psicultura, hortigranjeiros e floricultura, despontando atualmente o cultivo do fumo, amendoim, alho e cana-de-açúcar parreiras e pepino. Com o incentivo da Administração Municipal estão surgindo as agroindústrias familiares que utilizam a matéria-prima produzida no município como a de cachaça, de vinhos, rapaduras, frutas cristalizadas e geleias, queijos, erva-mate e panificados, que colocam o município em destaque a nível regional. O número total é de cerca de 1.784 propriedades rurais, predominando a pequena propriedade com módulo de até 20 hectares.
Destacam-se ainda: o comércio, a indústria, o artesanato e prestação de serviços, fábricas de móveis, olarias, ervateiras, empresas de transporte, em especial para as de confecção de vestuário que estão crescendo extraordinariamente, gerando novos empregos e divisas ao município.

História de Augusto Pestana
A ocupação do espaço de Augusto Pestana, teve seu início por volta de 1870, quando a família Aires depois de abrir uma picada, radicou-se no lugar atualmente denominado “Boca da Picada”. Em 1888, o italiano Pedro Nogara fixou residência no atual Alto Leal, antigo Formigueiro.

Posteriormente, vieram os alemães, cujo papel foi preponderante nessa colonização, mas como visto, colonos de ascendência portuguesa e italiana precederam os alemães como moradores isolados na região.

Conforme alguns escritos, a história de Augusto Pestana começou em 1901. Em setembro deste ano, chegaram os imigrantes alemães, vindos da então Colônia Velha. (Montenegro, São Sebastião do Caí, Santa Cruz do Sul e Cachoeira), que deram a este lugar o nome de “Serra do Cadeado”, porque havia uma fazenda de propriedade da viúva do Dr. Raimundo Silva, uma porteira com um enorme cadeado que se constituía em passagem obrigatória para transeuntes que vinham, de Cruz Alta.

A colonização propriamente dita, foi iniciada no ano de 1901, quando o Engenheiro Dr. Augusto Pestana, na época chefe da comissão de terras da Colônia de Ijuí, se responsabilizou pela medição das terras de Serra Cadeado.

A Serra Cadeado aos poucos foi sendo ocupada. As florestas ricas em madeira de lei, constituía-se em atração para os desejos de aventurar a colonização, principalmente pelo húmus acumulado na fértil terra roxa, onde as sementes eram lançadas brotando na forma de ricas e variadas culturas.

A instrução e a educação eram atribuições da família, principalmente da mãe que dividia suas tarefas entre a roça e a casa. A fé inabalável e a vontade de vencer destes pioneiros foram grandiosas. Apesar das dificuldades, permaneciam unidos, e aos poucos conseguiam alcançar seus objetivos, prova disto foram, já por volta de 1903, a fundação da primeira comunidade Evangélica, denomina da Santíssima Trindade, religião predominante entre os imigrantes alemães, junto também a igreja, surgiu a Comunidade Escolar.

A partir daí, o desenvolvimento e o progresso, alicerçados na agricultura foram uma consequência quase que óbvia do pioneirismo e da persistência. Em 03 de fevereiro de 1940 veio a Vila Dr. Pestana um homem que dedicou sua vida a medicina social e humanitária Dr. Orlando Dias Athayde.

A pequena Vila de Dr. Pestana serviu para o Dr. Athayde como era conhecido, como palco de estreia, construção de carreira de toda sua vida, com superação de obstáculos, dificuldades, no entanto, exercendo a profissão com muita dedicação, amor, compreensão, superação da dor e do sofrimento dos cidadãos.

Em 1942 com a cooperação da comunidade local, iniciou a construção do Hospital São Francisco, que foi inaugurado em 24 de novembro de 1973 e funciona até hoje.

Através do “Instituto de Medicina e Cirurgia Dr. Athayde”, conquistou respeito, valorização, destaque regional e internacional, e identidade para o município homem público foi presidente da Comissão Emanciopacionista e primeiro Interventor do município.

Divulgação: Prefeitura Municipal de Augusto Pestana